25 de mai de 2010

Migalhas aos aposentados

Por que o presidente não veta o 30% de propina? Pq não veta o desvio de verba na construções de Hospitais e Escolas? Pq não veta o mau uso do dinheiro em obras inacabadas e superfaturadas? Pq não veta os 40 bilhões (maiomenos) que somem na lama da currupção por ano? Pq não veta a festa que os Parlamentares fazem com a verba dos gabinetes? Deviam igualar a aposentadoria deles com a do Povo Brasileiro. Desculpem a grosseria, mas dá vontade de mandar esses caras pra P#$%^&# que o Pa#@##!!!
Lula vai vetar o fim do fator previdenciário, dizem ministros

Os ministros Guido Mantega (Fazenda) e Paulo Bernardo (Planejamento) disseram nesta segunda-feira que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva decidiu vetar o fim do fator previdenciário, mas ainda não se decidiu sobre o índice de reajuste aos aposentados que ganham acima de um salário mínimo.

A declaração foi feita depois de reunião com o presidente Lula, em Brasília. O ministro Alexandre Padilha (Relações Institucionais), que também estava presente no encontro, negou que o veto ao fim do fator previdenciário já estava certo. Segundo ele, Lula ainda não se decidiu sobre nenhuma das duas questões.

"A questão do fator previdenciário está definido que vai ser vetado", disse Bernardo. Ele e Mantega voltaram a sugerir a Lula que também vete o reajuste de 7,7% aos aposentados, aprovado na semana passada pelo Senado.

Bernardo admitiu, porém, que dificilmente Lula deverá vetar o índice, já que isso obrigaria o governo a encaminhar uma nova medida provisória ao Congresso ou então a não dar reajuste a este um terço dos aposentados que ganham acima de um salário mínimo.

"O compromisso que o governo fez com as centrais sindicais e com as lideranças políticas foi de [reajuste de] 6,14%. Se tivermos alternativa de manter esse compromisso nós vamos fazer. Mas ficou muito difícil porque, vetando, não poderá fazer um novo reajuste."

Segundo Padilha, o presidente vai decidir se veta ou não os dois pontos do projeto antes que a atual MP expire, o que ocorre no dia primeiro de junho.

"O presidente não fechou a sua ideia. Ele ouviu a área econômica que apresentou a sugestão. Várias vezes a área econômica apresenta coisas para o presidente e o presidente força e busca outras alternativas", disse Padilha.


Fábio Amato de Brasília

Um comentário:

Fernando disse...

Caraca, Didiu, você agora se intelectualizou e agora escreve até sobre política. Seu blog tá super legal, vou salvar aqui nos favoritos e entrar sempre que der.

Abs
Fernando